segunda-feira, 13 de março de 2017

LITERATURA MARGINAL COM FERREZ E NI BRISANT

No último sábado fui assistir o encontro LITERATURA MARGINAL com o Ni Brisant, convidado do Ferréz na Fábrica de Cultura São Luiz. Foi um evento maravilhoso não só pelos dois escritores como pela plateia que abrilhantou aquele momento sublime da literatura. Agradeço a deferência do Denis que junto com o Ferréz ainda me chamaram ao palco para recitar um poema. O evento foi um verdadeiro show. Parabéns a todos os envolvidos.





domingo, 12 de março de 2017

CORDEL E REPENTE NA ESCOLA PROFESSOR CARLOS AYRES

Na última sexta feira, a convite da produtora Telma Queiroz fui a Escola Professor Carlos Ayres, localizada na Avenida Dona Belmira Marin no Grajaú. A apresentação na escola foi um patrocínio do projeto REDES E RUAS, da Secretaria dos Direitos Humanos.
Durante o evento foi exibido o filme Pé de Parede sobre o cotidiano dos repentistas na cidade de São Paulo em seguida os repentistas Adão Fernandes e Félix Barbosa fizeram uma apresentação ao vivo para mostrar algumas modalidades do repente. Também tive a oportunidade de falar sobre o Cordel Brasileiro para cerca de 600 alunos. Desse modo o cordel e o repente vão alcançando cada vez mais espaço para que possamos formar novos públicos que apreciem em a nossa arte.





segunda-feira, 6 de março de 2017

PONTO DE VENDA DE CORDEL NA PRAÇA BENEDITO CALIXTO



Quem quiser adquirir cordel, agora tem mais um ambiente na cidade de São Paulo: basta chegar até a Praça Benedito Calixto, 159, em Pinheiros, onde fica o Espaço Cultural Alberico Rodrigues. Lá você poderá encontrar muitas obras do gênero. Alberico fundador do espaço, abriu as portas para que possamos disseminar esse gênero literário tão precioso e caro a cultura brasileira, criada pelo genial Leandro Gomes de Barros. Peço aos amantes do cordel brasileiro que divulguem este espaço para outras pessoas, a fim de que se dissemine ainda mais nossa literatura. Cada vez mais o cordel conquista espaço, atenda aos leitores e ganhe novos apreciadores deste gênero, presente por este Brasil afora.





sábado, 11 de fevereiro de 2017

NADA CONSEGUIRÁ PARAR O CORDEL

O Cordel sempre teve uma vocação para estar no meio da rua, oferecendo ao povo alegria, descontração, informação, além da reflexão a respeito dos acontecimentos do dia a dia e de interesse da sociedade. Hoje fui ao Largo Treze de Maio, em Santo Amaro, acompanhar o nosso amigo e poeta Chico Feitosa que estava vendendo cordel na Praça Floriano Peixoto, o que significa ainda uma possibilidade para o Cordel continuar onde sempre esteve: nas mãos do povo e na rua. Todos os sábados o Chico estará expondo suas obras neste local tão conhecido de Santo Amaro. Como é do conhecimento de todos, no dia 25 de janeiro João Gomes de Sá e eu fomos proibidos de vender cordel na Paulista. Depois desse dia procuramos de todas as formas a Prefeitura de São Paulo através da Secretaria de Cultura, subprefeituras Sé e Pinheiros, Secretário de Cultura Municipal, porém ainda não tivemos uma resposta a respeito de continuarmos ou não na Avenida Paulista. Pelo jeito a única possibilidade, diante da arrogância da prefeitura é entrarmos na justiça para garantir o cumprimento da Lei Municipal nº 15.776 que nos garante, inclusive, a venda do cordel na rua sem pedir autorização a ninguém porque é isto que a lei municipal diz. Infelizmente a lei sumiu do site da prefeitura e ninguém sabe dizer onde foi parar. Para quem ainda não viu o vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=uEVODTdUn68




quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

POETAS SÃO IMPEDIDOS DE VENDER CORDEL NA PAULISTA

Nesse dia 25, aniversário de São Paulo o poeta João Gomes de Sá e eu, enquanto montávamos nossa banca de cordel, fomos cercados por um grupo de agentes públicos formada por fiscais e guardas civis metropolitanos como se fossemos bandidos e nos proibiram de vender cordel na Avenida Paulista.
Os defensores de Dória argumentarão que é necessário uma autorização, mas quem disse no mundo, que cultura, precisa de autorização para ser divulgada? Queremos deixar o nosso protesto e a nossa indignação contra quem acha que manda e pode interferir até na poesia. Ninguém conseguirá nos calar, porque se a gente se calar as pedras gritarão. 


domingo, 22 de janeiro de 2017

CORDEL NA CAMPANHA JANEIRO BRANCO

Assim como tem o Setembro Amarelo tratando do tema Depressão; o Outubro Rosa do câncer de mama e Novembro Azul do câncer da próstata, hoje foi lançado na Avenida Paulista, a CAMPANHA JANEIRO BRANCO. João Gomes de Sá e eu participamos deste evento na Avenida Paulista e rolou até uma poesia, não é das melhores, mas ilustrou o Sarau do JANEIRO BRANCO, leia, entenda e divulgue o que é:

Tem o setembro amarelo
Que fala da depressão
Depois o outubro Rosa
E o novembro azulzão
Chegou uma nova campanha
Para espalhar na nação.

Chamada Janeiro Branco
A cor serena e legal
A campanha vai pegar
Em todo chão nacional
Para que a gente tenha
Melhor saúde mental.

Começou em Uberlândia
No belo estado mineiro
Mas já está no Japão:
Pretensão: o mundo inteiro.
Para se tornar a marca
Do nosso mês de janeiro.

Cuide da saúde física
Porém seja consciente
Que uma pessoa saudável
Não é só fisicamente
Pois uma vida tranquila
Começamos pela mente.

Já basta de nervosismo
Nesse mundão agressivo
Precisamos de leveza
De gesto mais construtivo
E começa pela mente
Saudável do coletivo.

Vamos, vamos minha gente
Divulgar o novo mês
De campanha no Brasil
Em nome da sensatez
Se a mente está ruim
Vá se tratar de uma vez.

Se você é muito bruto
Vive pegando no tranco
Dando patada por tudo
É doído, mas sou franco
Você está precisando
Do nosso Janeiro Branco.





terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A LUZEIRO VAI FECHAR

video
Para a grande promoção
Editora Luzeiro Ltda - Setor de Vendas Rua Dr. Nogueira Martins, 538 - Saúde - São Paulo - SP (11) 5585-1800 www.editoraluzeiro.com.brvendas@editoraluzeiro.com.br ou via WhatsApp (11)98310-0615.


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

CORDEL NA RUA

Ontem João Gomes de Sá e eu fomos vender cordel na Avenida Paulista. Isso foi o esquenta para o lançamento do Projeto CORDEL NA RUA que será feito em breve na cidade de São Paulo. Também um pré-aquecimento da grande promoção que a editora Luzeiro fará nos dias 16, 17 e 18. Todos os cordéis estarão custando 2,00 reais, os de 32 páginas e 1,00 real, os cordéis de 16 páginas. 


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

A LUZEIRO VAI FECHAR para grande promoção

Começamos o ano entrando com uma promoção única e imperdível para os amantes da literatura de cordel! Somente agora, nos dias 16, 17 e 18 de janeiro nossos cordéis estarão com um preço especial para você completar sua coleção ou adquirir todos os cordéis que deseja, com um desconto bem convidativo!
Cada cordel de 32 páginas estará custando somente R$ 2,00.
E os de 16 páginas R$ 1,00.
Promoção válida apenas para pagamentos via depósito bancário e à vista.
Reserva de compra válida por três dias após a confirmação.
O valor no site continuará o mesmo. Os pedidos deverão ser feitos através do nosso e-mail, do nosso telefone (11) 5585-1800 ou via WhatsApp (11)98310-0615.
Os preços serão mantidos SOMENTE NESSES 03 DIAS. Aproveitem, e comecem o ano com muito cordel para ler.

Editora Luzeiro Ltda - Setor de Vendas Rua Dr. Nogueira Martins, 538 - Saúde - São Paulo - SP (11) 5585-1800 www.editoraluzeiro.com.br – vendas@editoraluzeiro.com.br

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

PROJETO CLAMARTE E O CORDEL BRASILEIRO

Desde o mês de novembro, o Gilmar Ribeiro me convidou para ser o autor do mês de dezembro do Projeto Clamarte e assim aconteceu em 09/12. Este sarau tem uma particularidade interessante, é feito há mais de três anos na oficina deste conterrâneo de Maracás Bahia. Casulo como é conhecido, tem uma poesia afiada com as lutas do dia a dia, além de um coração generoso para acolher dos aprendizes aos veteranos que pisam no solo sagrado da oficina que gentilmente cede espaço a palavra e a música, mensalmente. Casulo se embrenha pelo mundo das artes plásticas, ou melhor, arte de ferro, sim porque faz esculturas maravilhosas usando as sucatas que recolhe na oficina. Cada metal, arame, corrente, borracha, tudo ganha forma e vida nas mãos calejadas e amaciadas pela graxa. Amante do cordel, já prestou sua homenagem ao gênero literário brasileiro construindo um Pavão que é realmente maravilhoso, quando tomamos contato com aquele pássaro voador. Convido a todos para conhecerem o Sarau Clamarte e as peças maravilhosas feitas por este amante da poesia em suas várias facetas. A exposição é permanente intitulada Metal Morfose, ah outro detalhe, as esculturas são todas de animais.




sábado, 10 de dezembro de 2016

BRANCA DE NEVE É ESCOLHIDO PARA ACERVO DAS SALAS DE LEITURA

O livro Branca de Neve em cordel, publicado pela Editora Panda Books, além de já ter sido selecionado para o programa do Governo Federal, agora entra em mais uma nova adoção para as salas de leituras da Prefeitura de São Paulo. É uma notícia que nos deixa muito feliz afinal “POR DENTRO SENDO POETA E POR FORA TEMER” ter um livro selecionado, nos deixa muito feliz, porque assim, a obra chegará às mãos de várias crianças na capital paulista. Agradeço a toda equipe pela escolha, pois sei que o cordel tem muito a oferecer. A escolha foi divulgada no Catálogo de Acervo 2016.


sábado, 26 de novembro de 2016

CIRCULO NATALENSE DO CORDEL É SUCESSO

Entre os dias 16 e 19/11 participei na cidade de Natal, do evento que colocou o cordel em evidência. Uma variada programação expôs a grandeza do cordel brasileiro e suas condições de gênero literário que é, para estar inserido no todo literário, uma das reivindicações do evento. Participei de duas mesas de discussões, uma sobre O CORDEL E O REPENTE com os poetas Marcos Teixeira e Manoel Cavalcante. O papo ocorreu sobre as distinções e semelhanças nessas artes, tendo em vista que muitos alegam, que todo repentista, é cordelista, quando isso não corresponde à verdade. A outra mesa composta pelo pesquisador Carlos Alberto, sobre o filme O HOMEM QUE VIROU O SUCO, do diretor João Batista de Andrade, um dos filmes mais premiado do Brasil, que conta a saga de um poeta vendendo folhetos em São Paulo na década de oitenta.

O evento foi recheado por uma programação cultural interessante, mesclada pelo cordel, música, repente, teatro e oficinas. Agradecemos a organização do evento por possibilitar a discussão e divulgação deste gênero literário brasileiro.






terça-feira, 22 de novembro de 2016

MEU ENCONTRO COM BRAULIO BESSA EM GUARABIRA

Após a maratona cordelística realizada em Natal, dirigi-me a cidade de João Pessoa e em seguida a Guarabira para passar menos de 24h., por isso não deu tempo rever todo mundo. Hoje quando fui conhecer o Museu da Imagem e do Som, em frente a Prefeitura Municipal, para minha surpresa encontrei o poeta e declamador Bráulio Bessa, que fez uma palestra dirigida ao empresariado da Rainha do Brejo. Ele estava acompanhado por Percinaldo Toscano, Secretário de Cultura da cidade, que conheço há mais de dez anos, entre outras pessoas. Trocamos algumas palavras a respeito do cordel brasileiro. Depois dele conceder uma entrevista a TV Cabo Branco, fui convidado pela repórter da emissora a proferir algumas palavras sobre o cordel e a minha passagem pela cidade que me deu o diploma universitário. Mais uma vez agradeço a todos os paraibanos pela acolhida sempre calorosa e a Deus por me permitir estes encontros e reencontros marcantes.




domingo, 13 de novembro de 2016

FERRÉZ E VARNECI: ENCONTRO ENTRE MARGINAIS

No último dia 12/11 tive o prazer de dividir o mesmo palco com o Ferréz no encontro de LITERATURA MARGINAL, convidado por ele mesmo e que aconteceu na Fábrica de Cultura do Jardim São Luiz. Ferréz é um escritor consagrado e experimentado no mundo literário, sabe os meandros e as dificuldades vividas por cada autor para colocar um livro no mercado. Ele ao me entrevistar, também revelou segredos sobre a sua carreira literária, e para minha surpresa o gosto dele pela literatura veio através do cordel, apresentado a ele, por seu pai, o seu Raimundo, que estava presente para conhecer pela primeira vez um autor de cordel. Foi um encontro emocionante para nós dois, além de muito divertido, pois aos poucos a gente descobre, que quem trabalha com as palavras, está intrinsecamente ligado. Agradeço a todos que compareceram ao evento e espero que novas possibilidades como aquela aconteçam, pois devemos também promover a arte do encontro.





quinta-feira, 10 de novembro de 2016

CORDEL NO FESTIVAL DO LIVRO DE SÃO MIGUEL

Hoje foi a vez do cordel no FESTIVAL DE LIVRO E DA LITERATURA DE SÃO MIGUEL PAULISTA que esse ano tem como tema: Narrativa de gênero: feminino e feminismo e outras histórias. Durante a tarde ministrei uma palestra, falando da mulher no cordel e a sua presença marcante desde 1941, quando Maria das Neves Batista Pimentel publicou pela Editora Guajarina o cordel O corcunda de Notre Dame e o violino da morte, mas que assinou, com o nome do marido Altino Alagoano. Após minha fala aconteceu uma sabatina a respeito do cordel brasileiro feito pelos alunos que também fazem uma rádio na sua escola. Agradeço a presença de todos bem como a produção do evento pela possibilidade de inserir o cordel em evento tão importante.